Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas

 

 

Quinta, 25 Fevereiro 2021 12:39

TECNOLOGIA

Ressocialização e Segurança Pública firmam parceria para monitorar reeducandos

Com troca de informações e acesso a banco de dados em tempo real, secretarias vão fortalecer combate à criminalidade em Alagoas

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Secretários assinam termo de cooperação para aprimorar monitoramento eletrônico de reeducandos em Alagoas Secretários assinam termo de cooperação para aprimorar monitoramento eletrônico de reeducandos em Alagoas Émile Valões
Texto de Bruno Soriano

Alagoas deu mais um importante passo para seguir reduzindo os índices de violência. Nessa quarta-feira (24), as secretarias da Ressocialização e Inclusão Social (Seris) e da Segurança Pública (SSP) firmaram um termo de cooperação com o objetivo de compartilhar o banco de dados sobre reeducandos que cumprem medida cautelar diversa da prisão e são monitorados eletronicamente, otimizando a atuação das polícias quando o monitorado estiver em situação de descumprimento.

A assinatura se deu durante encontro, na sede da SSP, entre os integrantes da Mesa de Situação, por meio da qual são discutidos e avaliados os números da Segurança Pública. Na oportunidade, representante da empresa que presta o serviço de monitoramento eletrônico fez uma explanação sobre o alcance da ferramenta utilizada em Alagoas, destacando as soluções de inteligência proporcionadas pelo avanço da tecnologia.

“O monitoramento em tempo real por meio da tornozeleira eletrônica propicia uma série de informações que, inclusive, podem ser compartilhadas com outros estados. Além da posição e da frequência com que esteve em determinado local para encontrar-se, por exemplo, com outro reeducando, nossa plataforma também permite identificar a situação do equipamento. Ou seja, conseguimos ir além do chamado evento tradicional, que é quando a tornozeleira está descarregada, por exemplo”, afirmou o gerente de operações da empresa, Carlos Fidalgo.

A tecnologia, reforça ele, permite às polícias acompanhar os padrões de comportamento, rotinas e desvios de cada monitorado, propiciando uma atuação preventiva. Com a ferramenta, a Segurança Pública também pode descobrir mais facilmente se o reeducando teve participação em determinado ilícito, por meio da correlação com a cena do crime. “Nós também estamos desenvolvendo uma ferramenta com a qual o policial poderá acompanhar, de sua base, uma operação de captura de quem estiver descumprindo medida cautelar”, emendou.

O secretário da Segurança Pública, Alfredo Gaspar de Mendonça, por sua vez, destacou o trabalho desenvolvido pela Seris, citando, especialmente, o controle do sistema prisional alagoano, que não registra fuga há mais de dois anos. “Nunca tinha visto o nosso sistema prisional sem nenhum sobressalto por tão longo tempo. E este controle é de fundamental importância porque contribui, de forma significativa, com a redução dos índices de violência. Numa única operação, desencadeada recentemente, cinco reeducandos que violaram as regras de monitoramento foram detidos. Isso demonstra que estamos atentos a quaisquer ocorrências”, declarou Mendonça.

Já o secretário da Ressocialização e Inclusão Social, coronel PM Marcos Sérgio de Freitas, agradeceu o apoio dispensado pela SSP, enaltecendo a importância da parceria, o empenho dos policiais penais de Alagoas e o alcance dos investimentos garantidos pelo Governo do Estado, a exemplo do anúncio de novo concurso público para a Polícia Penal. “O governador Renan Filhou também já autorizou a liberação de recursos para a construção e ampliação de unidades prisionais, o que irá resultar em 1.300 novas vagas, renovando, assim, seu compromisso com a ressocialização”, destacou o titular da Seris.

Também participou da reunião o secretário executivo de Gestão Interna, tenente-coronel PM Marcos Henrique do Carmo, além dos policiais penais Milton Pereira (chefe especial de Gestão Penitenciária), Marciano Alex (chefe especial de Unidades Penitenciárias), Manoel Messias (gerente do Comando de Operações Penitenciárias), Stênio Silva (chefe do Grupamento de Escolta, Remoção e Intervenção Tática), Paulo Valente (chefe da Central de Monitoramento Eletrônico de Presos) e Rodrigo Lima (chefe do Presídio do Agreste).