Notícias

AGÊNCIA ALAGOAS

Governo do Estado de Alagoas
Sexta, 06 Outubro 2017 09:18
COMBATE AO CÂNCER

Seris prepara programação especial para o Outubro Rosa

Atividades acontecerão neste mês e visam prevenir doenças, além de estimular cuidados com a saúde

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Além da assistência médica, ocorrerão palestras educativas com foco na prevenção Além da assistência médica, ocorrerão palestras educativas com foco na prevenção Jorge Santos
Texto de Maysa Cavalcante

Outubro é o mês destinado para o cuidado da saúde feminina. Pensando nisso, a Secretaria da Ressocialização e Inclusão Social (Seris), em consonância com as diretrizes da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM), prepara uma série de ações que serão realizadas nos dias 16, 17, 19 e 26 de outubro, beneficiando servidoras e reeducandas, no Complexo Penitenciário.
 

 

Além da assistência médica, ocorrerão palestras educativas com foco na prevenção de doenças, como o câncer de mama e do colo de útero. As servidoras do sistema prisional, as reeducandas do Presídio Santa Luzia e do Manicômio Judiciário serão contempladas com as iniciativas. De acordo com a chefe de Enfermagem da Seris, Polyanna Teixeira, a mulher deve olhar para si de forma diferente.
 

 

"Queremos orientar as mulheres sobre os cuidados especiais com a saúde. O câncer de mama e do colo do útero ainda são os tipos da doença que mais matam no Brasil. O autoexame associado ao exame de imagem são essenciais para o diagnóstico precoce do câncer de mama. Já os exames de citologia e colposcopia detectam doenças no colo do útero. Precisamos despertar a consciência das mulheres", destaca a enfermeira.
 

 

A profissional revela que nas atividades do Outubro Rosa, nos anos anteriores, foram detectados nódulos em algumas reeducandas. "Após esse diagnóstico, encaminhamos as custodiadas para o atendimento de referência. Com a realização de exames, foi diagnosticado que os nódulos eram benignos. Mas se fossem malignos, teríamos feito o diagnóstico precoce e teríamos mais chances de sucesso no combate à doença", conclui Teixeira.